Data do show:
14/03/2008
Bandas:
Necropsya, Jailor, Torture Squad
Local:
Ópera 1 - Curitiba/PR
Por:
Rodrigo Simetti (18/03/2008)
 
NECROPSYA, JAILOR, TORTURE SQUAD
 
Mais uma vez o público de Curitiba mostrou porque a cidade acaba ficando fora da rota de algumas grandes bandas, pois um show com boas bandas não conseguiu atrair sequer 100 pessoas! E também não se pode esquecer da falta de consideração que a casa teve com o público, o show que havia sido marcado para 22:30 acabou começando praticamente meia noite, e a banda Soul Assassin que ia fazer uma pequena apresentação nem tocou, quando entrei na casa por volta de 23:30 ainda estavam passando o som.
Mas falando do que importa, a banda Necropsya foi a primeira a subir ao palco, fazendo a divulgação de seu debut Roars. Eles fazem um thrash metal com vocais guturais e scream, com linhas que vão desde aquele thrash old school até sons mais modernos, a apresentação da banda foi bem curta baseada no seu CD e ainda com a apresentação de algumas musicas novas.
Em seguida vieram os veteranos do Jailor com seu thrash old school. Durante a primeira música a guitarra de Flávio teve uma corda estourada, o que acabou fazendo com que a banda executasse todo o restante do setlist com apenas uma guitarra. Foi a primeira apresentação que assisti da banda com o baterista Thor, que se mostrou competente em todas as musicas e além de tocar bem tem ótima presença de palco. A apresentação da banda acabou sendo bem morna, talvez pela falta de uma guitarra que acabou deixando as musicas meio “vazias”.
Após um pequeno intervalo para arrumar o palco foi a vez do Torture Squad subir ao palco. Mesmo com um pequeno público a banda tocou como se a casa estivesse cheia, aliás, essa apresentação foi melhor que a anterior que eu havia assistido com a casa cheia. A banda está na tour do seu EP Chaos CO. e apresentando seu novo guitarrista Augusto Lopes, no começo da apresentação cheguei a achar que o cara não ia segurar as pontas, mas depois me arrependi. Augusto se mostrou ótimo guitarrista tocando muito bem todas as musicas, mesmo tendo uma pegada diferente de seu antecessor. Eles tocaram musicas de toda sua carreira, um destaque para o final da apresentação onde a banda voltou para um bis e tocou a excelente Towers on Fire. Eles provaram porque chegaram onde estão, pois não é qualquer banda que chega a uma casa de shows quase vazia e faz uma apresentação como a que presenciei, se bem que o público mesmo sendo pequeno deu ótima resposta ao show, e provou que quando se faz metal com vontade sempre haverá público disposto a prestigiar. E como disse Amílcar: “...A paixão pelo metal e por tocar vai muito mais além do que qualquer outra coisa...
 
 
Por Rodrigo Simetti (18/03/2008)
 

Parceiros