Os anos 80 foram palco de inúmeras revoluções no cenário Heavy Metal em geral. Das mudanças na própria sonoridade do estilo até a formação da mentalidade daqueles que seguem (ou seguiam) o Underground, transformando-o em um verdadeiro estilo de vida. A par dessas mudanças que tornaram o Heavy Metal um fenômeno muito mais complexo, sempre houveram aqueles entusiastas que, mesmo não possuindo uma banda e mesmo não almejando lucros com esse novo mercado, dedicaram parte de suas vidas a divulgar e trabalhar em prol das bandas em específico, e do próprio Underground em um sentido mais geral. Mesmo não sendo profissionais no meio jornalístico, vários zines surgiram na base da vontade, ou seja, seguindo aquela ideologia D.I.Y. (ou "faça você mesmo"). Hoje em dia muita gurizada que curte som a pouco tempo, quase não conhece os zines impressos e, principalmente, a história que está por trás desse fenômeno. Mal sabem eles que esse meio de comunicação foi a origem de todas as trocas de informações existentes dentro do mundo Underground, por décadas. Por isso mesmo, acabou por fazer parte de sua raiz e de sua identidade, aspecto que é dos mais importantes para nossa cena. Os webzines, blogs e MySpaces principalmente, divulgam muito facilmente uma banda Underground hoje em dia (e mesmo em escala mundial), porém, antigamente essa divulgação se dava principalmente por trocas, cartas, bate-papos em shows e pelos zines impressos. Estes  possuíam uma maneira peculiar de produção, feitos de maneira arcaica, com muitos recortes, desenhos feitos a mão, imagens retiradas de outras revistas, etc., e que eram colados em uma folha que serviria como matriz, e a partir disso xerocados e distribuídos. Além dos formatos que eram escritos a mão. Esse último tipo, claro, era muito mais raro devido a sua dificuldade de edição, porém se parar para pensar que antigamente era muito difícil achar uma lojinha de xerox como hoje é de extrema facilidade encontrar em cada canto, então deduzimos um pouco a enorme vontade do guerreiro zineiro daquela época em reproduzir o seu trabalho em prol ao Underground. O que queremos destacar é a grande vontade, raça e determinação que zineiros antigos tinham para fazer um zine impresso, ao contrário de hoje em dia que, com a ajuda da computação gráfica, se torna um trabalho mais fácil, mas isso em termos comparativos pois ainda é complicado fazer um. Vamos entrevistar pessoas que viveram essa época onde esse meio de comunicação era muito mais valorizado do que hoje em dia, porém ainda com sua devida importância na contribuição em prol ao Underground, que deve muito o seu crescimento durante os anos aos zines impressos. Com base nisso, temos várias questões para explorar, lembrando que esse espaço é para a discussão, portanto, seria saudável que novas perguntas fossem gestadas no espaço destinado a discussão.

PS.: Algumas respostas estão separadas por cada pergunta, e outras são únicas englobando todas elas. As que estão separadas, começam com R01, R02 e assim por diante, de acordo com a ordem das perguntas.

O que mudou de forma mais significativa, partindo do fenmeno dos zines impressos para os atuais webzines? Qual a importncia dos zines impressos no nosso cenrio atual? Zines impressos perderam espao com a chegada da internet? Qual a importncia dos zines impressos na histria do nosso Underground?


Essa matéria foi elaborada por Carrascu, Rodrigo Simetti e Alex Neundorf, e publicada no dia 05/08/2009.
Delmon  (Editor do zine In Death's Embrance)
R01: Para mim a mudana mais significativa foi a reduo do custo para a produo e a facilidade de acesso. Porm ainda existem muito mais zines impressos do que webzines, acredito ser pela dificuldade em se criar um site, ou mesmo a falta de interesse dessa molecada de hoje que aprendeu a ter tudo na mo. No querendo ser saudosista, mas antigamente era tudo mais difcil, o acesso s informaes eram muito piores, mas mesmo assim sempre estvamos bem informados sobre o que tava rolando na cena, sempre sabamos sobre os shows, e estes ento, eram divulgados no mnimo trs meses de antecedncia. Hoje no, com a internet todos divulgam no mesmo ms, ou at na mesma semana, apenas online atravs de orkut e myspace... Por isso a frequncia est muito ruim nos eventos... Banger criado em orkut no sabe das dificuldades, no d o devido valor aos eventos e as bandas, no compra CD nacional (s baixa mp3...) e por a vai....
R02: A importncia foi e sempre ser a mesma. Extremamente importante, pelo fato de fazermos parte de uma cultura underground, uma cultura especializada para pessoas especializadas. Os zines impressos tm um maior cuidado e um maior esmero em sua confeco, fazendo com que o leitor no somente admire apenas as informaes ali contidas, mas tambm o
trabalho envolto desse artefato, tais como a diagramao, efeitos grficos e ilustraes. Alguns Webzines seguem o mesmo conceito, mas no so todos... Alguns caem no esquecimento muito rpido pela falta de material para divulgar, porque hoje tudo est online, tudo tem que ser dirio e etc. E acredito que no caso do movimento extremo underground nada assim, as coisas tem de ser feitas com muita luta, muito esforo, tudo muito difcil, a correria intensa, mas as coisas demoram a acontecer.
R03: Acredito que perder espao talvez no, pois no "to" fcil de se fazer um webzine, tendo como maior problema a atualizao intensa e "quase que diria", para que atraia a ateno do internauta. O interessante dos zines impressos, que com a imensa demora para a sua confeco, acaba que abarrotando de matria, fazendo com que o leitor demore a ler tudo aquilo, dando mais nfase, mais valor ao trabalho desenvolvido. O verdadeiro objetivo do WebZine acabar ou diminuir o custo para a confeco do artefato de divulgao mencionado, porm tem que pagar para manter um site, ou se fizer um blog, tem que ter internet banda larga... Isso tambm um custo, talvez bem diferente do gasto com xerox, pois voc ir utilizar a internet para inmeras coisas e trabalhos de pesquisa.
R04: Historicamente, se no fossem os zines impressos no haveriam as revistas, no haveriam os webzines, no haveriam os myspaces, os websites e nem haveria uma cena respeitada em todo o mundo, como a nossa cena e com uma grande quantidade de apreciadores, msicos, editores e artista dentro da cena underground mundial. RESPEITE OS ZINES IMPRESSOS, COMPRE ZINES IMPRESSOS, PARTICIPE DE ZINES IMPRESSOS E QUE TODOS NS POSSAMOS CRESCER CADA VEZ MAIS JUNTOS... Assim como esto crescendo os Webzines e toda essa globalizao que est cada dia mais acentuada. Estamos abarrotados de informao a todo momento, temos de aprender a filtrar essas informaes, a selecionar estas informaes, para que no nos perdamos em nossa prpria tecnologia... Acho muito engraado a retomada "brutal" de inmeros valores, cultura e objetos antigos, como o vinyl por exemplo... Creio que a retomada dos zines impressos tambm venha a acontecer, pois acho muito mais prazeroso ler deitado numa cama aconchegante escutando uma boa msica, do que pregado na frente de um monitor o dia todo... Que o crescimento seja CONJUNTO... e que juntos Webzines e zines impressos possamos fortalecer cada vez mais a nossa cultura... Hailz warriors from Brazil...
Elton Felipedes De Campos  (Integrante da banda Sadsy)
Hoje em dia, mudou-se o foco de ao dos zines, mas eles continuam com seu papel de ser a voz das pessoas que gostam de determinado tipo de coisas, a pena que com a internet perdemos muitos veculos de comunicao underground, mas criamos muitos zines que j viraram "parada principal" para os grupos que desejam mostrar sua arte e sua msica, acredito que a internet tenha facilitado o aumento da quantidade de zines, mas ainda h espao para os bons zines impressos, que foram obrigados a se tornarem revistas, perderam aquele charme e a rusticidade, mas em compensao tem mais pblico, e fora que a facilitao do envio e edio dos zines impressos facilitou a propagao da informao, os Zines em si tem uma grande importncia no nosso underground, pois ns temos que ter um canal para manter contato com outras pessoas, e tambm procurar opinies de pessoas que ouvem o mesmo estilo que voc, tambm facilita na procura de material para compra, tais como Demos, CDs, revistas, filmes e outras tranqueiras que eu comprei graas a indicao de bons zines lembrando que no s de Heavy Metal que os zines feitos por headbangers tratam, tambm temos a chance de trocar "figurinhas" sobre literatura e filmes. Acho que hoje em dia o panorama melhor para a distribuio e veiculao, mas o problema maior atrair o pblico heavy metal para ler e procurar informao, estamos vivendo em uma era de pessoas alienadas. Mas acho que isso um dia vai passar, e vamos resgatar nossos tempos de esperar o carteiro trazendo o zine pra ver se saiu matria de determinada banda.
Sokram Malediction  (Integrante da banda Aasverus)
Apesar de no ter pegado a poca urea dos zines impressos, peguei justamente esta transio do impresso para o digital. O que mais mudou no quesito impresso e webzines foi uma maior facilidade na troca de informaes, divulgao das bandas de uma forma mais abrangente e custos, entre outros. Em nosso cenrio o zine impresso ainda muito respeitado, apesar da diminuio. Mas o que acontece a dificuldade para fazer um, sendo que para adquirir um, voc tem que depositar o dinheiro no banco ou ir numa agncia dos correios enviar a carta e para buscar tambm. Ser que o underground ficou mais acomodado? O impresso algo mgico, quando voc recebe imagina o quanto ele viajou para chegar a tuas mos, algo mais visceral! Alm de ser mais restrito, no qualquer um que vai ter o contato com ele. A web quanto o impresso, tem suas vantagens e desvantagens, temos que ser sbios para utilizar tais meios de divulgao.
Eduardo Vomitorium  (Editor do blog Vom It Yourself e integrante da banda Feculent Goretomb)
Mermo, acho que a velocidade da informao algo que assusta, no s com relao a webzines, mas na cultura e no jornalismo independente de uma forma geral. A velocidade traz praticidade, facilidade, custos mais baixos, isso no um problema, uma soluo, o problema a acomodao que esta velocidade e praticidade trazem. Temos uma cultura errada de substituir coisas, sempre foi assim. Como indivduos vivendo em um meio social, somos movidos pela industria mesmo que indiretamente, e quer queiram ou no a morte de determinadas coisas, formatos, ideias ou qualquer porra dessas, depende de quem consome, de quem gosta, de quem as vive. Mas no meio disso tudo tem um pequeno detalhe, estamos falando do mal, velho, barulhento, afrontador e querido Underground, aquele l que se vangloria de no pertencer aos nichos padronizados, que nunca se rendeu aos apelos miditicos massivos e que nunca precisou de nada de fora para respirar. A tecnologia, a internet tem um poder absurdo, inegvel as melhoras que isso tudo trouxe, s acho que uma coisa no substitui outra, simples. Os zines de papel, xerocados e feitos na maioria das vezes na marra, so um veculo de informao maravilhoso, a parte visual, o tato, a forma de se conseguir, de interagir... tudo isso algo nico, no uma coisa saudosista, como ver um filme no cinema, ou ouvir um disco olhando a capa e o encarte, ou qualquer atividade dessas. Os webzines, da mesma maneira, so um maravilhoso veculo de informao, eu posso ver informaes de outros lugares sem gastar tanto, posso interagir imediatamente, posso ter diversas notcias de diversos lugares em uma horinha, s no sei porque diabos uma coisa tem que substituir a outra, acho at essa discusso um pouco absurda, pois chegamos a um ponto onde a tecnologia est aos poucos enterrando o que tnhamos de mais precioso que era a fora de vontade para se conseguir qualquer coisa, um disco, uma demo, um zine, um livro, um filme ou at uma fitinha gravada. No vou entrar muito nesta questo de histria, da importncia dos zines impressos, at porque esses fatos so pungentes demais, s pra tentar ilustrar mais ou menos, a nica forma de se ler resenha de uma demo era em um zine impresso, hoje mermo, em uma tarde o nego pega a discografia completa com capa e o caralho... ento pra que ele vai querer um zine de papel xerocado, com uma infinidade de resenhas e coisas legais? Pois ele faz tudo no computador, se informa, ouvi previamente, e baixa o disco, o maior problema que s se faz isso, e ta aumentando cada vez mais, ento certas coisas como zines de papel, distros, selos, esto perdendo o sentido de existir. S queria terminar perguntando a todo mundo que ta lendo isso: Que diabos essa gerao internet, mp3... carrega dentro do crebro, que espcie de sentimento elas tem com relao a contra cultura underground em geral, seja na parte da msica ou literatura, cinema, hqs... qual a vantagem de se conhecer tudo por cima e no conhecer NADA na essncia? Eu sinceramente no tenho resposta, e no dou a mnima pra nova gerao formada pelos bites, mas na boa mermo, a maior diferena entre um webzine e um zine impresso apenas o formato, quem gosta realmente dessa merda toda, vai caar a informao, o som, a essncia onde for, seja pela net, pelas cartas, em qualquer buraco sujo. Pra mim o underground uma estrutura celular, e uma clula precisa da outra pra funcionar, ento tudo faz parte da mesma coisa, bandas, zines, selos, distros, web, sistema postal, desenhistas, galera que fotografa shows... tudo faz parte duma coisa, e uma depende da outra para viver, mas aos poucos essa nova gerao que se acostumou a no tirar a bunda da frente do computador para ouvir msica, ler, ver uma banda ao vivo ou ver um filme... est aleijando o underground, e o colapso est mais prximo do que se imagina, a tecnologia veio somar e no substituir.
Roberto Ceccato  (Integrante da banda Predator)
R01: Quando comeamos com o Predator em 1996 a forma de divulgao que mais usvamos era a carta(social), recebamos dezenas de cartas por semana. Nessa poca muitos eram os zines impressos que estavam na ativa. Me lembro quando samos na capa de um zine de Passo Fundo no lanamento da primeira demo em 1999. Recordaes a parte, as mudanas so enormes. Temos a tecnologia a nosso favor e acredito que se usada de forma correta somente vai ajudar. O formato impresso, apesar de ser em nmero menor, ainda representa muito bem o nosso underground. Porm, com o custo alto e a falta de apoio est cada vez mais raro encontrarmos o artefato na forma tradicional. A alternativa de webzine uma soluo para continuar um trabalho de apoio a cena. O que devemos ter em mente que sem nosso apoio a cena perde em tudo. Aos poucos vemos zines e revistas encerrarem suas atividades, gravadoras praticamente sem lanar material underground, etc. O apoio a quem mais rala tambm o menor, por isso cabe a ns headbangers apoiar a cena de forma como acontecia nos anos 80 e 90 e fazer o uso da tecnologia a nosso favor.
R02: Os zines impressos continuam sendo de total importncia no nosso cenrio atual! O zine impresso tem o poder de registro histrico do momento em que estamos vivendo. Podemos pegar nossos zines antigos e ver como era a cena h 10-15 anos atrs. Sabemos que o zine impresso, apesar de estar cada vez mais escasso, objeto de desejo dos verdadeiros apreciadores do Metal underground. Atravs dos zines impressos que podemos conhecer o que as bandas esto fazendo e o que acontece na nossa cena underground. Que bandas esto surgindo, quais bandas esto na ativa, shows undergrounds, tours, festivais e tudo mais.
R03: Durante a tour que fiz com o Predator de 2007 at agora, tive o privilgio de conhecer muitos amigos zineiros que continuam na batalha para manter firme o formato antigo, apesar de todas as dificuldades. Mas inegvel que a maioria dos zines impressos da antiga, passaram para o formato web ou encerraram de vez as atividades. Eu acredito que a tendncia o formato web continuar crescendo cada vez mais, apesar de termos timos zines impressos. Eu sou a favor e apoio colecionando todos os zines impressos que encontro. Tambm compro apenas Cds originais, demos das bandas e no baixo msica da internet. Posso estar sendo radical, mas a minha maneira de demonstrar o meu apoio e respeito as pessoas que dedicam suas vidas ao Underground. Apesar de ser radical nesse sentido, leio e participo de vrios webzines, uso myspace para conhecer as bandas novas e novos lanamentos.
R04: Acredito que o poder de registro dos zines impresso o fator que o faz desse formato to importante e ainda cultuado. Toda a histria do metal nacional dos anos 80-90 foi registrada pelos zines impressos. Em um webzine difcil conseguirmos acompanhar matrias mais antigas, principalmente relacionada a fatos histricos da cena que aconteceram quando a internet no era to popular. A minha opinio que todos os veculos de comunicao que tem como objetivo apoiar a cena de fundamental valor, seja no formato tradicional ou web, o importante informar os manacos com sede pelas novidades do Metal. Cabe a ns apoiarmos esses veculos de comunicao e fazer com que continuem ajudando a cena a crescer e se fortalecer! Vida longa ao zines!
Vincius Vidal  (Editor do site Baron's Hell)
R01: A agilidade com certeza. Webzine muito mais rpido e simples, no existe o trabalho de montar uma edio, na maioria dos casos abrir o administrador da ferramenta que funciona no webzine e adicionar a informao (seja notcia ou matria/entrevista, etc). Porm se ganhou na agilidade perdeu na qualidade e dedicao, por ser muito fcil e simples, fazer um webzine no tem mais aquele sabor e gosto que outrora teve/tem no zine impresso. Fazer um zine demanda cuidado e vontade, muita vontade. E hoje em dia existem muitos webzines que so ruins, mal-feitos e at mesmo inteis, j que no cumprem como cumpriam os antigos zines onde existiam/existem vrias informaes. E poderiam ser fodaos como o GoreGrinder e um ou outro como o 13 Days of dirth, entre alguns que restam (muitos morreram desde a propagao da web no Brasil l em 98), afinal sim muito mais simples voc aprender a montar um site com qualidade hoje em dia do que montar impressos a anos atrs. Nem precisa de tanto mas se conseguir representar o esprito zineiro j t mais do que timo, alis esse o ponto, esprito zineiro, alguns tem seja com webzine, zine impresso ou no papel de po, outros querem falar das bandas famosas que gostam e acabam sendo mais do mesmo.
R02: Acredito que e ainda ser muito importante os zines impressos. muito diferente pegar um zine impresso na mo, levar com voc e l-lo seja no banheiro, buso ou outro lugar que interessar, mesmo que voc pegue o zine e no o leia no momento como um material fsico sempre estar na mo e quando voc menos perceber j leu e releu o zine, entendeu as opinies e ficou com gostinho de quero mais, fora que todos as matrias, resenhas e opinies as divulgaes feitas ali conseguiram ser lidas. Mas estou falando a da praticidade do material fsico, quanto ao cenrio, divulgao, etc, lgico que no sou hipcrita e ignorar a web quando eu mesmo j estou l, realmente para divulgar notcias e agenda de eventos bvio que pela internet muito mais eficiente e rpido, principalmente porque notcias e shows so coisas que acontecem todo momento e se a notcia/show no forem algo muito fora do dia-a-dia nem precisam do registro mesmo do zine impresso. Pra mim zines impressos so importantes na cena atual quando conseguem exibir matrias e opinies que so vitais para a continuidade, informao e fortalecimento da cena, que merecem essa divulgao, o registro, seja entrevistas, resenhas de materiais, shows e opinies sobre a cena mesmo ou algum outro assunto especfico. At porque como zines so complicados de serem produzidos, no h problema em ser por exemplo semestral ou anual, mas se ele conseguir transmitir de uma forma geral como est o cenrio atual como um registro histrico mesmo (eu considero assim todos os zines que possuo guardado aqui, algo em torno de 300, por a), o que aconteceu nesses meses, qual o pensamento atual, etc j um grande feito que far que essa importncia no diminua.
R03: Como disse na anterior, no acho que perderam realmente, o que aconteceu foi que muita gente por motivos financeiros e agilidade j prefira dedicar o trampo na web mesmo, ou seja, o que aconteceu foi uma adaptao, e isso em todas as mdias (zine um tipo de mdia, diferente na essncia, mas ). Hoje em dia no lugar de programas de rdio temos podcasts, programas de tv surgem como videocast, at os blogs que tomaram lugar de muitos portais (que haviam tomado lugar de jornais impressos) hoje perdem algum espao para o microblogging do twitter, ou seja, a agilidade e pressa na meta-informao. Porm com tudo isso acontecendo a informao fica em todo lugar e em lugar algum e de certa forma hoje em dia temos menos opnio crtica e debate, algo normal de acontecer quando se d voz a todos e no acho que ruim, s uma forma. Da acho que o zine impresso entra com esse papel, como geralmente quem faz zine tambm um formador de opinio, afinal ele no quer montar um veculo s pela funo de divulgar por divulgar, ele quer emitir algo que considera importante e necessrio dentro daquele contexto. Ou seja, zines no perderam espao, mas se no se adaptarem muitos perdem sim a razo de ser, afinal ser por ser pode ter algum valor pelo esforo desprendido, mas ser datado, repetitivo, vazio e intil (como muitas revistas que ainda existem por aqui), da nem compensa fazer um. A pergunta que fica , existem tantos zineiros ainda no underground? Ou um monte de espalhador de informao? Existe essa vontade?
R04: Nem precisa dizer muito, afinal quem no percebe essa importncia realmente no tem noo do que o underground e porque no o metal mesmo, zines impressos so mais ou menos como o papiro do metal e do nosso underground, onde descrevido o que aconteceu, onde bandas surgem de verdade, onde o registro e foi feito. aquilo, se algo dito e no registrado acaba morrendo, perde-se o valor. Zines tiveram e tem esse papel. Os impressos principalmente porque l no final dos 70 e comeo de 80 existiam somente eles, a partir de um que nasceu a revista de rock mais famosa aqui no Brasil que a Rock Brigade, que muita gente se envolveu na cena porque acabou a partir da conhecendo a banda x ou y, o estilo especfico e o movimento que existem onde eles no tem acesso, zines impressos mostraram o que se faziam l fora e influenciaram bangers daqui. preciso dizer tambm que os zines impressos so tambm um espao precioso por ser isento de manipulao, de propaganda, de publicidade e poderes. E como tudo, uma pena que os zines impressos diminuram a rotatividade e alguns morreram, mas a gente entende pela dificuldade que sabemos que existem nesse tipo de mdia.
Baalrak  (Integrante da banda Aqueronte)
Em toda a histria do cenrio underground os Zines impressos tiveram papel importantssimo para a disseminao e divulgao da cultura metal em todos os segmentos, pois foram eles, na poca em que no se tinha inernet para acessar arquivos de musicas com tamanha facilidade, que tiveram a coragem de mostrar e divulgar notcias e bandas de todos os cantos do pas, atravs de correspondncias e trocas. Isso ainda hoje acontece e muito, eu. por exemplo tenho ainda alguns zines guardados de recordao e a Aqueronte j participou com entrevistas, ou resenhas  ou biografias de vrios zines impressos, Zine impresso cult e a sua importncia valida desde o seu surgimeto. Muita coisa mudou desses tempos atrs at os dias atuais, com o advento da internet , principalmente, houve uma queda na publicao destes materiais mas muitos ainda continuam a ser editados e agora usando a tecnologia a seu favor, utilizando-se de email para entrevistar bandas e acertar trocas e depois editando e impreimendo estes materiais e trocando,vendendo, ou mesmo distribuindo gratuitamente. Alm disso, muitos zines acabaram tornando-se revistas de grande porte, como por exemplo, a veterana Rock Brigade. Portanto, pode-se concluir que os Zines impressos nunca perderam seu espao, muito menos sua importncia dentro do underground, sempre estaro presentes lado a lado com os Webzines que tambm do sua significativa contribuio para a divulgao do cenrio underground.
Alexandre Probst Justino  (Editor do Agenda Underground)
R01: Os zines eram bons, nem todos eram profissionais ,mas havia um trabalho de pesquisa por bandas, e uma troca forte de material, amizades criadas por cartas e divulgaes de eventos, faziam amizades e eventos serem fortes, porm, a internet veio para ficar, as pessoas tem q se adaptar, e vejo os webzines como uma otima oportunidade para pessoas, bandas no geral divulgarem seu material a um numero centenas de vezes maior, ento a mudana significativa esta no fato de agora voc atingir um publico maior.
R02: Nenhuma. Honestamente falando, hoje em dia, algum ficar recortando fotos ,colando, tirando xerox no tem mais importncia. duro dizer isso, mas nem as revistas so lidas, muitas simplesmente acabaram,quem dira zines.
R03: Digamos que no ouve perda de espao, apenas as formas de comunicao que tem evoluido, chegar uma era em que msn ,orkut sero ferramentas atrasadas e quem viver delas no estar pronto para as mudanas. Por esse motivo no apoio mais as bandas lanarem ainda material em K7 e vinil.
R04: Foram as primeiras revistas. A Brigade nasceu de um zine. Era assim que conseguiamos saber de shows, novas bandas, conhecer mais pessoas que curtiam nosso som, debater e at discutir. Para a histria do underground em si, zines so to importantes quanto a roda na histria da humanidade, o que falta alguns aprenderem que desde a roda ja vieram os carros.
Ivan  (Integrante da banda Warmagedoon)
R01: Mudou totalmente a forma e a velocidade de como as novidades so e esto sendo divulgadas pelo simples fato da tecnologia, pois hoje podemos divulgar qualquer notcia, qualquer fato que julgarmos ser necessrio em segundos, basta um clicar e a notcia se torna algo dividido para qualquer indivduo que esteja conectado, porm se tornou algo comum e at certo ponto infame, pois com isso muitos boatos so jogados ao vento e trazendo mais desunio entre alguns. Hoje temos centenas de webzines que fazem verdadeiras operaes de guerra em disseminar notcias e bandas, e isso timo, pois estas ferramentas se tornaram fundamentais.
R02: Os zines impressos se tornaram objetos Cult nos dias atuais e poucos so lidos e encarados como deveriam, ou seja, ler e dar valor ao trabalho que fora feito com empenho e determinao. Obviamente poucos de nossa atual cena j teve contato com um zine impresso, seja pela falta de interesse no mesmo ou pelo simples fato de renegar tal objeto em detrimento de acessar internet. Mas inegvel o legado dos zines impressos, pois sem eles, muitas bandas que hoje fazem parte de nossas influncias como bandas, no seriam nem conhecidas por ns, pois muitas delas, especialmente as bandas das dcadas passadas e que hoje ainda so referncias do estilo. Em resumo, qual a importncia dos zines impressos? Fundamentais eu diria.
R03: Com certeza perderam espao, tanto pela praticidade, quanto pela logstica. Vejo como exemplo, a transio do Vinil para o CD, no comeo dos anos 90, muitos tentaram resistir e vejo uma ode ao vinil nos ltimos anos, mas isso apenas nostlgico, sem querer desmerecer quem cultua tal costume. Hoje como no passado, temos webzines que nem valem a clicada, bem como alguns zines impressos nem serviam para, bem, no precisa falar isso aqui.
R04: A importncia foi fundamental, um alicerce com certeza, pois por muitos anos foi um dos principais meios de comunicao entre bangers, produtores de shows e bandas de todo o planeta e por si s j deveria ser respeitado. Sem dvida a cena era forte em virtude de verdadeiros guerreiros zineiros, que deixavam um tempo para confeccionar tais objetos, alguns com mais e outros com menos esmero, mas de uma maneira ou de outra, era selecionada por seu pblico como deveria, pela qualidade e valor e assim lido e espalhado por todos cantos. E parabenizo o Goregrinder pela matria, pela iniciativa e pela oportunidade.
Petter Baiestorf  (Dono da Canibal Filmes)
Comecei a editar zines em 1992, se no me engano, numa poca em que os fanzines impressos estavam ganhando muita fora e serviam como principal canal para informaes sobre cultura underground. Editei vrios ttulos, com destaque ao "Arghhh" (zine que editei entre 1992 e 2003, durando 32 nmeros, tiragem que chegou - em alguns nmeros - a mil cpias tendo entre 32 e 64 pginas), dedicado aos quadrinhos, cinema obscuro, literatura splatter e bandas de gore grind. Parei de editar zines impressos porque no encontrava mais pblico disposto a "encomendar" o zine pelo correio. De uma tiragem de mil exemplares foi caindo at o  ridculo de 50 cpias no ltimo nmero do "Arghhh". Depois desta introduo vou tentar responder as perguntas.
R01: Acho que o contato entre leitores e o editor e colaboradores dos zines. Antes o cara recebia muitas cartas de leitores falando sobre as matrias e discutindo os assuntos abordados nos zines impressos. Tive um blog tempos depois em parceria com uma ex-namorada e no consegui me adaptar aos tempos da NET justamente por sentir falta deste contato com o pblico. Hoje em dia ningum comenta nada, o editor fica praticamente sem contato com seus leitores. Dificilmente voltarei a editar um blog, j um zine impresso algo que tenho vontade de retomar, principalmente um zine impresso em grfica de quadrinhos/cinema obscuro para vender nas mostras de filmes. Em 2005 editei um folheto potico chamado "Urtiga" que eu dava de graa ao pessoal que aparecia nas minhas palestras sobre produo cinematogrfica independente e esse contato com o pblico era bem gratificante.
R02: Acho que hoje em dia o pblico leitor de zines prefere ficar olhando sites. Infelizmente se perdeu o hbito de ler/acompanhar as edies impressas dos zines. Acho que so bem poucos os zines que insistem em se manter na ativa de maneira impressa. Vejo mais zines (folhetos na verdade) punks ou de poesia sendo editados de maneira impressa. uma arte que no deveria ser perdida. E j respondendo aqui mesmo a pergunta seguinte: Sim, eu sou um dos que acredita que os zines impressos perderam espao para os webzines, j que os leitores continuam os mesmos, ou seja, pessoal em busca de informao sobre a cultura independente/underground.
R04: Agora respondendo como produtor de filmes e no mais como ex-editor que planeja voltar a editar um zine impresso um dia desses. A importncia dos zines impressos muita, nos anos 90 eu tive meus filmes divulgados na imprensa oficial (jornais como Folha de So Paulo, Estado, O Globo e revistas como Isto e Veja) e nunca deram tanto retorno quanto os zines impressos me davam. Nos anos 90 existiam uma infinidade de editores engajados em divulgar a arte independente e funcionava como um canal eficiente de divulgao. Nos anos 90 (e tambm parte dos anos 2000) o editor Edgar Guimares editava um guia de zines impressos chamado "QI" (se no me falha a memria j que sou meio lesado, hauahuahauahauahauahauahauaahau) e trazia contatos de milhares de editores e todo mundo conhecia todo mundo e a troca de informaes era intensa. O assunto "zines impressos" daria muito assunto para um bom documentrio sobre a imprensa alternativa dos anos 90. ltima informao pra quem se interessa em saber mais sobre o universo dos zines impressos dos anos 90: Adquiram o livro "Almanaque de Fanzines" que uma tima fonte para saber como funcionava tudo antes da NET existir (ou se popularizar, no caso).
Compartilhe essa matéria!
Divulgue!
LUCIANO FLEURY  (Site)  comentou:
A QUESTO ONDE A INTERNET VAI PARAR? MUITA INFORMAO A VELOCIDADE DA LUZ SEM CONTAR QUE DE 1994 PRA C A COISA S GRANA, A VELHA FRMULA TALVEZ RESURJA COMO SISTEMA DE PROTESTO, o que nao morrer jamais A CULTURA UNDERGROUND, FIZ TRES EDIOES ENTRE 90 E 91 LEMBRO DA P DE FLYERS CAINDO QUANDO ABRIA A CARTA ERA MUITO PRAZEROZO! NAO FRIO COMO HOJE E COMO BOM REENCONTRAR AMIGOS DA POCA! CHEGEI A EDITAR COM FITA K7(...) O LEGADO FICA EM ABERTO! UNDERGROUND WAYS! KEEP THE FIGHT!
13/02/12 às 00:43 Hs
GRAVEI DUAS DT. UMA COM A BANDA GORE NOISE E OUTRA COM A SARCOMA, SOU UM EX-BATERISTA, TENHO34 ANOS DOIS FILHOS, FIZ MINHA PARTE NA CULTURA ALTERNATIVA DO METAL EXTREMO, SOU SATISFEITO COM O MEU TRABALHO, CONHECI A CENA DEATHCORE MAS NO ME CONSIDERO UM REAL DEATHSTER, ACHO QUE FALTA UM POUCO MAIS DE RAZO PRA ME COLOCAR COMO UM GRINDER OU UMDEATHSTER, GOSTO MUITO DE METAL MAS NAO PRETENDO MORRER POR ELE, O AMOR MUITO MAIS COMPENSADOR.
27/03/10 às 16:38 Hs
Nome:
E-mail:
Site (opcional):
Texto:
=

Parceiros