O Baixo Calão é uma banda antiga, completou 12 anos recentemente, mas aqui pro sul pelo menos não se ouve falar muito. Injustamente, pois com certeza depois do CD "Tu Crias" essa é uma das melhores bandas de Grindcore do país na atualidade na minha opinião. Abaixo o vocalista Beto nos dá mais detalhes sobre o Baixo Calão.

Entrevista feita por Carrascu e publicada no dia 06/01/2009
Carrascu: Em 1996, quando a banda foi criada, o som era mais Punk/HC, conforme biografia no MySpace de vocês. Depois sofreram várias mudanças de formação e o som foi amadurecendo na direção do Grindcore que é o estilo atual do Baixo Calão. Conte-nos como surgiu a oportunidade de você se juntar à banda e também ao que se deve o fato da transição do Punk pro Grindcore? Influências dos novos integrantes ou uma mudança natural que surgiu com o tempo?
Beto Core: Meu brother, antes de entrar na banda, eu já era amigo dos caras, andávamos juntos pra tudo que é buraco, bebíamos, fazíamos onda e etc. Ai em uma dessas bebedeiras, tirei uma de vocal e comecei a urrar perto dos caras, o batera (William), ficou interessado e me convidou pra entrar na banda dele o Democida, não deu certo, ai no mesmo momento em um ensaio do Baixo Calão eu entrei na banda! Agora em relação as mudanças foi o seguinte: sabe quando uma banda faz um som, mas namora outro estilo, assim fomos nós. A banda tocava punk/hc, mas na verdade sonhava em tocar Grindcore, tanto que procurávamos tocar o mais rápido possível, o problema era com os membros da banda na época de Punk/HC, não eram capazes de tocar o que se desejava. Então a banda mudou de batera, entrou mais um guitarra, entrou eu e ai foi naturalmente caminhando para o Grindcore!
Carrascu: Nos comente mais sobre o material "Ao vivo - Barulho Brutal II" que foi gravado em 2002. Como vocês fizeram pra gravá-lo e onde foi? Ele foi lançado independente ou por algum selo? Em que formato ele saiu?
Beto Core: Rapaz, foi uma loucura! Eu não era da banda na época, só era amigo! O Barulho Brutal II foi um festival, no qual eles filmaram, ai o Leandro (vocal) tinha um aparelho que gravava CD, o qual, tirava o áudio de qualquer aparelho, (Tv, Som, Rádio, etc...). Pois então, pegamos a fita do show e tiramos o áudio do videocassete na braba. Lançamos por conta própria, chegamos a mandar pro Maranhão, e para alguns brothers!
Carrascu: Em seguida foram lançados os materiais "Homo Postumus" de 2004 e "Repúdio e Descrença" de 2006. Gostaria que você comentasse mais sobre eles, já que no MySpace não há muitas informações acerca desses lançamentos.
Beto Core: O "Homo Postumus" foi o primeiro material sério da banda. Gravamos em um estúdio, o qual era muito requisitado por banda de metal e rock de Belém. Juntamos uma grana pesada e fomos gravar! As músicas deste registro são todas antigas, o lance é que transformamos elas de Punk/Hc para Grindcore. O "Homo Postumus" foi o registro da banda que abriu portas em outras cenas, com ele conhecemos gente de várias partes do Brasil e do Mundo, fomos convidados para splits e coletâneas, entrevistas, etc. 
Já o Repúdio e Descrença foram músicas que não deram certo em uma coletânea do Peru, pegamos as duas músicas que iriam participar e juntamos com mais uma de outro projeto que não deu certo e fizemos o material!
Carrascu: Além deles e do atual "Tu Crias", vocês participaram de algum outro tipo de lançamento como Coletâneas por exemplo? Até aonde a banda chegou com os seus materiais?
Beto Core: Convite pra coletânea já tivemos vários, o lance é que todos furaram, isso parece até brincadeira! Mas o Baixo Calão é maldito! (Risos), é foda! Tivemos proposta de split com o Disturbance Project, mas demoramos e não deu certo, tivemos propostas de alguns splits que não vingaram. Agora já mandamos material para o Japão, Bélgica, Alemanha, EUA, Chile, Argentina, e várias partes do Brasil e do Mundo, os quais não lembro! A única que vingou foi a participação do Baixo Calão na coletânea Desgraçacore, aqui de Belém, e na Coletânea de um Zine aqui daqui da cidade também, o qual não lembro o nome!
Carrascu: Eu realmente fiquei impressionado com o CD "Tu Crias", pra mim um dos melhores Grindcore nacional na atualidade. Mas no entanto percebo, conversando com outras pessoas que curtem o estilo, que o Baixo Calão ainda não é muito conhecido fora da região nordestina. Conte-nos, como está sendo a divulgação desse material da banda no Brasil e também no exterior? Aproveite para dar mais detalhes sobre esse CD.
Beto Core: A banda está divulgando através de amigos, vendendo, trocando, etc. Já mandamos para o Chile, vou mandar alguns, ainda este mês, para Jan - Agathocles na Bélgica, e assim estamos espalhando por ai. Já mandamos para várias partes do Brasil, divulgando quando pode em shows daqui, por e-mail, blog, orkut, através de Zine! como o teu agora! 
Sobre o Tu Crias, o material tem 16 sons, tem encarte com letras, ficha técnica, etc. O álbum está em Cd-R pintado! Estamos passando ele por R$ 10,00 na mão e R$ 15,00 com postagem inclusa!
Carrascu: Esse CD teve uma qualidade de gravação muito boa. Ao que se deve essa evolução, a própria pegada da banda que melhorou com o tempo, a escolha de um estúdio mais profissional ou algum outro fator que veio a acrescentar na qualidade da produção desse álbum?
Beto Core: Creio que este atual album é resultado de um amadurecimento da banda. Depois de 12 anos de estrada, na correria, pegando porrada, aprendemos algumas coisas que acabaram nos ajudando na gravação deste CD. O estúdio que gravamos, foi um local modesto, mais simples do que o que gravamos o Homo Postumus, como afirmei acima, o que contou neste álbum foi nossa experiência.
Carrascu: Através dele, vocês pensam em fazer uma turnê brasileira ou até mesmo fora de nosso país? Surgiram oportunidades pro Baixo Calão tocar em outras regiões depois do lançamento do CD?
Beto Core: Rapaz, pensamos nisso a todo momento, só faltamos morrer de ansiedade. Desde o Homo Postumus que temos tentado fazer show fora daqui, mais todos cairam por terra. Tivemos com este álbum, um convite de um pessoal de SP. O problema é que temos que arranjar mais dois lugares por perto para poder vingar.
Carrascu: Em termos de shows como está a agenda da banda? Falando nos que vocês já fizeram nesses 12 anos de atividades, qual (ou quais) foi o mais memorável e porquê?
Beto Core: Atualmente a banda está com uma simplória agenda de shows, na média de 01 à 02 apresentações por mês, esperamos convites acessíveis e ai conforme for, tocamos. Sobre um evento memorável, como toda banda, tivemos vários; mas destaco um show que a banda fez neste ano de 2008 no Teatro Waldemar Henrique (Teatro famoso aqui de Belém), neste evento rolou uma vyber muito nervosa e empolgante, tocamos com um som legal e apesar de tudo, o que mais nos impulsionou foi o fato de termos a chance de tocar no teatro, e também a espera de muita gente pela nossa apresentação. Teve um show também em um local chamado "COMBAT", onde o pessoal esperando por nossa apresentação, só faltou destruir o espaço. Se ficar falando aqui dos eventos memoráveis vou acabar passando o dia todo, mais citarei aqui um último; foi um show na Cidade Nova, onde a loucura foi tamanho, que carregaram o outro vocalista e o jogaram em cima da bateria.
Carrascu: O que você tem ouvido muito ultimamente? Além do Grindcore, qual outro estilo você costuma ouvir?
Beto Core: Eu não sei dos outros membros da banda, mas, tenho escutado além de Grindcore, isso sem hipocrisia, pois escuto Grindcore constantemente, e isso por prazer, muito Mpb como Vitor Ramil, Sérgio Sampaio, etc. Tenho escutado também Death Metal, Thrash Metal, bandas como: Death, Krisiun, Nile, Torture Squad, The Hauted, Municipal Waste; tenho escutado também bastante Ratos de Porão, muito HC, Musica Eletrônica: Drum and Bass, Psytrance/Goa e bastante Jazz. Na verdade, fico oscilando entre estilos, depende do meu estado de espírito. No entanto, A única coisa que é constante e viciante, que fico sempre e sempre, é o Grindcore.
Carrascu: Na sua opinião, o que deve melhorar no Underground da sua região?
Beto Core: Rapaz, é complicado falar de melhorias, sobre algo que não dou a mínima. Posso até ser mal interpretado, mas sinceramente, estou enjoado de tanto Blá, Blá, Blá. Já envelheci com aqueles discursos de que a cena precisa estar mais unida, de que precisamos nos portar melhor diante da sociedade, para mudar nossa imagem, que devemos ser fiéis e tal, e tal... O lance é que não tem dessa de nós, o que rola é o esquema do "quem pode", digo isso de Belém-PA; aquele que tiver grana pra fazer shows, pra sair colocando sua banda em evento de qualquer espécie, é o que comanda aqui. Por isso, nós do Baixo Calão, temos sorte de ter uns brothers que são simpáticos conosco, uma galera que algumas vezes são amigos, ou que simpatizam com a gente ou com o nosso som.
Carrascu: Encerramos a entrevista por aqui, desejando sucesso pro Baixo Calão dentro de seus objetivos, e parabenizando pelo excelente material lançado esse ano que merece destaque sempre que possível. Obrigado pela entrevista!
Beto Core: Obrigado pela oportunidade de divulgarmos a banda, desejo boa sorte a ti nos teus projetos!!!
Compartilhar

Envie seu comentário sobre essa matéria!

Adriana Borges  comentou:
Po. otema essa entrevista! Essa banda é mto boa!
Falo aí Betoo!
10/01/09 às 11:04 Hs
Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros