O Clawn completa 10 anos de carreira em 2008, tendo entre vários materiais lançados um CD pela Black Hole Productions em 2006, que teve boa repercussão pelo Underground. Na entrevista, o único membro fundador da banda, o guitarrista Fábio nos conta mais sobre o Clawn, suas mudanças de formação, dificuldades enfrentadas, seus planos para o futuro e quando irão lançar seu próximo material.

Entrevista feita por Carrascu e publicada no dia 03/04/2008
Carrascu: Nesse ano o Clawn completa exatos 10 anos de existência, marcados na sua história por vários lançamentos com destaque para o CD "Deathless Beauty of The Silence", o debut lançado pela Black Hole Productions. Como tem sido a repercussão desse CD lançado em 2006 e como surgiu a união da banda com a gravadora para que esse lançamento viesse a se concretizar?
Fábio: A repercussão do trabalho está sendo muito favorável, resultando em boas resenhas em meios de divulgação underground e em grande número da apresentações, nos deixando muito satisfeitos!!!
A nossa parceria com a BHP surgiu a partir de um convite feito pelo Fernando Camacho, proprietário do selo, para participarmos da colêtania de umas edições da Revista Black Hole. De lá pra cá firmamos uma grande amizade, o que resultou em nossa parceira.
Carrascu: Você tem noção da tiragem prensada desse álbum e por quais paises além do Brasil ele chegou?
Fábio: Foram prensadas mil cópias desse CD. Não sei dar números exatos, mas as cópias destinadas a banda foram vendidas rapidamente, havendo a necessidade de recorrermos ao selo para pegarmos mais cópias!! (Risos). O Debut teve uma ótima aceitação no continente europeu e América do Norte e Sul, sendo que sua divulgação alcançou países pertencentes a essas localidades.
Carrascu: Você acredita que com a divulgação desse material por esses continentes haverá a oportunidade da Clawn tocar em algum deles pelo menos? Há planos para uma tour fora do país?
Fábio: Com certeza!! Devido a boa reprecussão do trabalho em continente Europeu, temos planos de fazer uma tour por lá em 2009 ou 2010. Estamos trabalhando pra que isso aconteça!! Os nossos planos é irmos pra lá com o segundo CD em mãos, já fazendo uma divulgação mais maciça do próximo trabalho na Europa! Vamos ver se tudo sai da forma que planejamos!
Carrascu: Sobre esse próximo trabalho, o contrato assinado com a Black Hole Productions são para dois álbuns, um foi o debut e esse próximo quando é que sai? Quais são os planos da banda para esse novo material?
Fábio: Temos planos de grava-lo no final desse ano de 2008, para lança-lo em 2009, via BHP. Os planos são de fazer um som com características bem próprias, firmadas no Death Metal, desde o mais brutal até a linha mais tradicional, Black Metal e Grind Core.
Esperamos com esse material firmarainda mais o nome do Clawn no Underground, sempre visando o crescimento da banda dentro do cenário.
Carrascu: Já existem novas músicas para esse material? Há algum nome definido?
Fábio: Já existem músicas feitas, inclusive algumas já são tocadas ao vivo. Temos as letras prontas e as músicas estão sendo compostas. Temos o track list já feito e um título provisório para o CD. Mas essas informações serão divulgadas em breve. Aguardem!! (risos)
Carrascu: "Kill the Bastards" é uma compilação da qual a Clawn faz parte, esse é o primeiro material em que a banda participa depois do seu debut CD em 2006. Nos conte mais sobre essa compilação e se foi ou não lançada já, quem está lançando, com quais músicas vocês participaram e etc.
Fábio: Essa compilação já está disponível, sendo vendida juntamente com a segunda edição do Zine "MAR DE ABOMINAÇÕES", de Cuiabá/MT. O material foi organizado pelo Wender, editor do Zine, juntando em um CD-R alguma das bandas que ele aprecia ou que já participaram do Zine de alguma forma.
O Clawn abre a coletânia com a música 'Sexual Religious Dementia', som que também abre o nosso Debut CD.
Carrascu: Em março de 2007 a baterista Melissa, que fazia parte desde o primeiro ano em que a banda se originou, saiu da Clawn. Quais foram os motivos dessa saída e o que mudou (se é que mudou algo) na Clawn com a entrada do substituto Rafael Graziani?
Fábio: A Melissa resolveu sair da banda para dar seqüencia a alguns projetos pessoais, uma vez que sua rotina de vida não estava mais sendo compatível com as atividades da banda. Essa decisão foi definida em consenso, não havendo nenhum tipo de desentendimentos ou brigas entre ambas as partes.
Tanto o Rafael quanto a Melissa são excelentes músicos, mas é inevitável que mudanças na formação não mudem a sonoridade da banda, ainda mais se tratando de bateristas!
Rafael tem uma pegada muito forte e é um baterista muito veloz, tendo total domínio de seu instrumento. Ele se encaixou perfeitamente a proposta da banda, trazendo sangue novo ao grupo!
Carrascu: Todos que estão por dentro do underground, principalmente os que tem banda, sabem das enormes dificuldades que se enfrentam para se manter viva uma banda nesse país. Dentre tantos obstáculos, qual (ou quais) você acha que mais afetou a Clawn em sua história e porque?
Fábio: Dentre todas as dificuldades eu destacaria as inúmeras mudanças de formação e a dificuldade de encontrar músicos competentes para tocar esse tipo de som e com vontade e ideologia para levar uma banda em frente!! Eu sou o único remanescente da formação original do Clawn. Sempre que tinhamos material novo lançado, sofriamos uma baixa. Até colocar a casa em ordem novamente, leva um tempo!
Talvez essa mudança tenha nos atrapalhado em algumas questões e favorecido em outras. Mas em linhas gerais, foi uma grande dificuldade que enfrentamos durante esses 10 anos de existencia.
Carrascu: Como tem sido os shows da banda? E para o futuro, quais são os próximos compromissos da Clawn nos palcos?
Fábio: Mantemos o ritmo frequente de shows, conseguindo nos apresentar durante todos os meses do ano desde o lançamento do CD, ocorrido em 2006. Fizemos apenas dois shows nesse prímeiro semestre de 2008, para dar enfase a composição do novo material. Retornaremos aos palcos no mês de julho, cumprindo a agenda até o mês de novembro, para posteriormente entrarmos em estúdio.
Carrascu: Bom, chegamos ao final dessa entrevista, espero que a Clawn tenha muito sucesso em seus objetivos e que sigam firmes e fortes no seu caminho. Agradeço pela atenção e agora peço, pela primeira vez em uma entrevista aqui na GoreGrinder, que você indique algum vídeo de uma banda nacional que você admira para mim colocar na nossa seção GoreTube. Deixo também esse espaço para seus comentários finais.
Fábio: Agradeço em nome do Clawn, a você Carrascu pelo espaço sedido em seu Web Zine, amizade e atenção na condução dessa entrevista. Espero que através dessa matéria possamos estreitar cada vez mais o vinculo de amizade entre a banda, o Zine e todos os Insanos desse país!! Vida loga ao Gore Grinder Web Zine ao nosso Underground!! Escolho um vídeo caseiro da banda Vomepotro. Além dessa banda ser uma das melhores bandas da cena nacional, na minha opinião, os considero como grandes irmãos!! Vale a pena conferir o som dos caras!!
Compartilhar

Envie seu comentário sobre essa matéria!

Marcio Camargo  comentou:
É isso ai parabens ao Clawn e para a GoreGrinder e seu trabalho d divulgação d bandas q ralam na cena underground,na qual sabemos tem muito pouco apoio.
Estou ansioso para o novo lançamento do Clawn,e q os caras continuem degolando nossos pescoços em shown sempre fodas...Humaaann Remaaiins!!!
Falo abraço a todos ai da GoreGrinder!
30/05/08 às 08:35 Hs
Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros