CRUNCH DELIGHTS - Under.Grind
A começar pela primeira impressão, não restam dúvidas: o Crunch Delights é uma banda que veio para ficar e certamente figurará em breve entre as mais importantes do gênero no país. Claro, para isso, basta que seus integrantes saibam capitalizar o bom momento deste ‘Under.Grind’. E essa primeira impressão começa exatamente com a apresentação do material: o já tradicional e acessível cd-r envelopado, mas em um material de mais qualidade, quase papel-revista, bem diagramado, com informações na capa traseira, arte de capa bem sacada (que foi elaborada pelo próprio Yuri). Acho que uma coisa interessante é o encarte que vejo algumas bandas utilizando para este tipo de material, valoriza e nem é tão difícil de ser incorporado. Não que nesta demo necessite, uma vez que temos uma boa quantidade de informações necessárias na contra-capa (afinal, não há que se exigir a presença das letras... porém, certamente que um texto explicando a concepção do som, as ideias que o permeiam, as referências para as vinhetas, etc. seria bem vindo). Venho dizendo a algum tempo: as bandas precisam encontrar uma maneira criativa de valorizar seus materiais, agregar valor, mesmo com coisas simples e baratas, mas que tornem aquele produto um bem de consumo interessante. Passada essa digressão, o Crunch Delights nos apresenta um produto interessante, não só no bom gosto da apresentação, mas também na qualidade musical e de produção/gravação. Nesse aspecto, Yákilli Bryzoll (Guitars e Vocals), Vúmito (Vocals), Yuri Giacomelli (Bass) e Marcio Violence (Drums), estão de parabéns, pois nos apresentam aqui 13 sons de altíssima qualidade para o gênero, perfazendo um total de pouco mais de 16 minutos de insanidade gore e grind. A banda realiza um Grindcore muito musical (portanto distante do Noise), simples e extremo, e com temática Gore, se valendo sobremaneira das ‘micro-músicas’. Os destaques vãos para as faixas ‘Infecção Hospitalar’, ‘Prazeres da Trituração’, ‘Excisão Feminina’ e as duas versões de Country Gore (que não mascaram a influência de bandas clássicas como Impetigo, Napalm Death, Cripple Bastards, Agoraphobic Nosebleed, Extreme Noise Terror, Flesh Grinder, etc.), para as vinhetas bem sacadas e intercaladas em momentos oportunos do play, e para o vocal que é um dos melhores que eu já ouvi no gênero, extremamente dinâmico e flexível em seu scat singing, alternando pig squeals com linhas grind urradas e com ‘high-pitched shrieks’. Atualmente a banda é composta por Vúmito (Vocals), Yákilli (Guitar e Vocals), Monique (Bass) e Thiago (Drum), já participaram da coletânea ‘Old Grindered Days’ (lançada neste ano de 2012) e tocaram com nomes dos mais importantes da cena Grind brazuca. Ótima pedida para um almoço de domingo com a família.

Segunda, 17 de Setembro de 2012
Por: Alex Neundorf
Divulgue!

Envie seu comentário sobre essa matéria!

Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros