Banda/Artista: Mystical Vision
Título: Alchemy Of Chaos
Lançamento: Underground Brasil Distro/Green Hell Metal/Voice Music
Ano: 2013
Resenha por Cristiano Passos
Publicada no dia 22/03/2014

Só mesmo o fato de a Mystical Vision ser de uma região menos reconhecida no cenário underground poderia explicar o fato de uma banda com tamanha qualidade não ter um destaque maior entre os headbangers! Afinal, vinda de Manaus, cidade cuja cena cresce a cada dia, a Mystical Vision tem uma longa história, quase tão longa quanto o underground latino-americano: a banda começou suas atividades no remoto ano de 1987, mantendo-se na ativa até 1999, quando resolveram dar uma pausa nas atividades do grupo. Porém, em 2011, contando com os membros originais Marcelo Sanches (baixo e vocal) e Silas Pimenta (guitarra), além dos “novatos” Carlos Mota (guitarra) e Eduardo Fiúza (bateria & backing vocal), a banda retomou seu rumo e finalmente lançou seu debut, o primoroso “Alchemy of chaos”. 
 
Em primeiro lugar, chama a atenção o fato de eles contarem com uma formação igual à do Slayer, ou seja, duas guitarras, baixo/vocal e um batera, composição que talvez não seja mera coincidência se pensarmos que a primeira referência que surge aos ouvidos é exatamente a do quarteto californiano. Aliás, eles vão buscar essas influências lá nos clássicos discos do Slayer, principalmente o “Reign in blood”, um dos melhores e mais importantes álbuns de toda a história do metal. Tais influências ficam claras tanto na bateria (a pegada de Eduardo Fiúza lembra muito o estilo de Dave Lombardo, bem como o som da batera neste disco), quanto no vocal de Marcelo Sanches, que tem um jeitão bem Tom Araya, ou seja, aquela voz grave, quase gutural, e muito raivosa, embora inteligível. As guitarras também não ficam atrás e despejam riff atrás de riff, além de solos “kerry-kinguianos” e palhetadas à Jeff Hanneman. Contudo, no caso das guitarras, há ainda uma benéfica influência do Exodus dos tempos do “Bonded by blood”, que vem contribuir pra deixar o som mais cortante e na cara! Um detalhe: tais influências, de maneira alguma, indicam que se trata de uma cópia, longe disso! São apenas referências para melhor situar o leitor/ouvinte, que pode saber mais ou menos o que vai encontrar neste disco. 
 
Fora isso, o disco contém 11 sons que pretendem jogar o ouvinte na parede logo na sua abertura, com a faixa-título, uma pancada capaz de torcer o pescoço já no início da audição! Muito boa mesmo! O disco se mantém nesse ritmo alucinado até o final, o que por si só já garantia de felicidade para qualquer headbanger que se preze. Não há como destacar esta ou aquela faixa, porque todas mostram que a banda tem uma identidade bem definida. Mesmo assim, eu diria que “Pain machine”, “Tank attack”, que apresenta um toque de death metal em sua pegada rápida – aliás, essa dobradinha thrash/death também ajuda a nos transportar direto para o passado, pois lá nos idos de 1986 ou 1987, não havia uma clara separação entre esses subgêneros, a ponto de contarmos com diversos exemplos de bandas que praticavam essa forma híbrida de som extremo, sem dar muita bola para as diferenças de concepção de cada estilo – a arrastada “The great chamber” e a nervosa “Sadistic” – que tem um sabor hardcore nos seus riffs simples e eficientes – servem bem para exemplificar a sonzeira que eles fazem em “Alchemy of chaos”. 
 
É imprescindível também mencionar o papel que as duas guitarras desempenham no disco, pois a excelência no manejo dos instrumentos é inegável! Silas Pimenta e Carlos Mota são afiados demais e criaram linhas de guitarra muito originais e bem pensadas, além de apresentarem alguns solos cheios de personalidade. Não é à toa que eles incluíram no álbum uma faixa instrumental, a trampada “Hammerhead”, que tem até uns toques mais melódicos, sem deixar a peteca da pancadaria cair, é claro, e nem se chapar no narcisismo que costuma predominar em temas assim. Afinal, apesar de toda a técnica que o grupo mostra dominar, o lance aqui é porrada do começo ao fim, feita para quebrar o pescoço tanto da turma da velha escola quanto da rapaziada mais nova que se amarra em som extremo.
 
Por fim, cabe dizer que, embora seja um lançamento independente, a produção é de altíssimo nível e é assinada por Marcelo Sanches e Carlos Mota, sendo que o último ainda mixou e masterizou a bolachinha, realizando um ótimo trabalho. Em resumo, é um trampo recomendado para os fãs do gênero, que podem ir atrás dele sem erro, pois apesar da produção moderna e cristalina, o som que sai dos alto-falantes aqui é tão old school quanto a própria banda. Torçamos agora para que o resto do Brasil e o mundo lá fora possam saber que nem só de floresta amazônica e zona franca vive a região Norte, pois uma banda consistente e com uma história tão longa quanto o Mystical Vision não pode passar despercebida na cena!

Tracklist:

1. Alchemy of chaos
2. Pain machine
3. Tank attack
4. The great chamber
5. Hellvelation 
6. Necromant
7. Last breath
8. Bonebreaker
9. Hammerhead
10. Sadistic
11. Morbid tales

Compartilhar
Mais sobre:

Envie seu comentário sobre essa notícia!

Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros