Banda/Artista: Coldblood
Título: Under The Blade I Die
Lançamento: Free Mind E Distro Rock Store Records
Ano: 2007
Resenha por Rodrigo Simetti
Publicada no dia 28/05/2011
Nota: 8,0

O Coldblood, na ativa desde 1992, é uma banda vinda da capital do Rio de Janeiro que faz um Death Metal estilo anos 90 com letras voltadas para uma temática anticristã. Na gravação desse álbum a banda era um power trio formado por Vitor Esteves (Baixo), Alan Silva (Guitarra e Vocal) e Markus Coutinho (Bateria); todos com uma boa carreira nas costas. Esse registro, de 2007, foi o primeiro álbum oficial da banda, depois de 3 demos (1992, 2000 e 2005) e mostrou toda a evolução da banda nesse tempo.
Dando uma analisada na arte já fica claro que a banda não deixou isso de lado para ser apenas um complemento do trabalho de áudio, houve uma preocupação em fazer algo decente. Todas as informações relevantes ao lançamento, informações sobre a banda e forma de contato estão ali. Quanto ao trabalho gráfico, todo ele segue a linha da capa, no mesmo esquema de cores e utilizando imagens de referencia no fundo, com uma boa divisão de todas a letras dentro do encarte. Conta ainda com fotos individuais identificando cada membro da banda, o que eu sempre acho uma boa ideia. O selo do CD e a contra capa complementam as informações com o nome das músicas e informações de gravação; feitas no HR Studio no Rio de Janeiro em 2006.
Para iniciar o play foi escolhida a música título do trabalho Under the Blade I Die, que já de cara mostra a linha sonora seguida pela banda, mescla de passagens rápidas e lentas, e uma chuva de riffs. Entre todas as musicas acho que foi excelente a ideia de abrir o álbum com essa música, é do tipo que chama sua atenção logo de cara e conta logo no início com um riff do tipo “chamar a galera” e o solo da música ficou bem encaixado, sem frescura e rápido. Configuration of Pain, a mais curta do álbum, é o grande a que mais me agradou em todo o trabalho, define bem a banda e segue a receita básica do estilo, mas mesmo assim mantendo a originalidade, praticamente reta em sua totalidade conta com pequenas quebras no final. No que ouvi a introdução de Bleeding at the Cross pensei “Conheço isso”, a introdução da música foi tirada do filme “A paixão de Cristo”, então você já pode imaginar o que vem em seguida, blasfêmia; fica o destaque para as imposições dos vocais e a bateria da música, que conseguiu ser muito criativa; fica evidente que a música foi pensada para o publico executar um mosh violento, até porque conta com uma chamada “Mosh”. Com uma levada mais Thrash Anti-Crusade (To Destroy the Holy Graal) chega a ser mais lenta que as outras, mas ficou com uma das minhas preferidas desse trabalho, a seqüência de riffs é melhor de todo o trabalho. Com riffs a lá Cannibal Corpse, Khali Brings Death faz referência a uma divindade Hindu, com um vocal usando mais de staccato teve um efeito diferente das outras músicas até aqui. Começando com um blastbeating e em seguida com uma variação rápida de ritmos A Legend Never Dies passou uma impressão diferente do que eu esperava, mas a música se mantem muito boa, mais uma vez a criatividade do baterista ficou evidente, não se prendendo aos ritmos padrões do estilo, a música consegue soar original dentro de um trabalho bem homogêneo; acho que aqui fica um dos poréns do álbum, alguns riffs poderiam ficar mais soados para criar um clima mais condizente com a música. Os riffs iniciais de I am the Crucifier One são daqueles que honram o nome Death Metal, sem puxação de saco, mas é do tipo de riff que me faz pensar “Queria ter pensado nisso antes”, a levada mais cadenciada iniciada próximo aos dois minutos da um clima diferente para a música que logo em seguida volta a porradaria e termina de forma excelente. A segunda mais curta do álbum Antagonistics Forces of Hades segue, mais uma vez, a linha de ser reta e crua, com solo rápido e curto, executado por Mantus (Darkest Hate Warfront); o vocal mais arrastado em algumas partes da uma boa caracterização para a música que no geral é bem rápida. Com um riff que me lembrou Sarcófago, Age of Suffering é a penúltima do álbum, pelo início da música esperava que viesse uma música cheia de riffs com referência a Slayer, mas a música se mostrou diferente disso e tende mais ao Death Metal, com o vocal acompanhando os riffs de guitarra em vários momentos, o que deu uma melodia maior para a música, mais sem nenhuma frescura. Para fechar o trabalho, Reincarnating a New Black God, que inicia com apenas a bateria com um som parecendo aqueles rádios antigos e com uma explosão entram os outros instrumentos. Com mais quebras que as demais, a música se destaca no meio das outras e é só um pouco diferente, mas a formula adotada pela banda nas demais composições fica nítida mais uma vez aqui, uma nota fica para o uso de um blastbeating em alguns trechos da música, coisa que poderia ser mais explorada em todo o trabalho. 
O trabalho em geral é de ótimo nível, ficando apenas ressalvas de gosto pessoal e talvez para um melhor aproveitamento do baixo, que acompanha o trabalho todo com desemprenho excelente mais não se sobressai em nenhum momento, não que precise ter solos, mas algo para se observar e explorar mais. Algo que merece destaque foi a escolha dos timbres para todos os instrumentos, audíveis durante toda a execução e bem captados, com variações nos momentos certos. Falar desse trabalho é difícil pois ele mantem uma homogeneidade, apesar de cada música ser capaz de ter sua identidade. Um álbum que atinge em cheio os apreciadores de Death Metal, distorções bem escolhidas, pedal duplo na dose certa e vocal gutural explosivo. A criatividade dos membros em executar algumas passagens e a produção bem pensada são os destaques do ColdBlood. 

Tracklist:

  1. Under the Blade I Die
  2. Configuration of Pain
  3. Bleeding at the Cross
  4. Anti-Crusade (To Destroy the Holy Graal)
  5. Khali Brings Death 
  6. A Legend Never Die
  7. I am the Crucifier One
  8. Antagonistics Forces of Hades
  9. Age of Suffering
  10. Reincarnating a New Black God

Compartilhar
Mais sobre:
1 MP3 online:

Envie seu comentário sobre essa notícia!

Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros