Banda/Artista: Devil On Earth
Título: Hunting, Shooting, Slashing And Thrashing
Lançamento: Kill Again Records
Ano: 2007
Resenha por Carrascu
Publicada no dia 09/05/2008
Nota: 9,0
Em pleno 2008 ainda temos ótimas surpresas oitentistas. Foi a primeira coisa que pensei quando escutei Devil on Earth, uma banda de Barra Bonita/SP que faz um Thrash Metal muito na linha old school, é você ouvir e pensar que esse álbum veio de 1986 por ae, incrível!
Analisando a capa se percebe aquele estilo de capas quando era tudo lançado em vinil, um desenho com vários detalhes sobre guerra. Aviões, corpos estirados no chão com um tiro no crânio por onde vaza sangue, a morte, muito fogo e produtos tóxicos dão um clima de matança. Na parte interna, é repetida uma parte da capa frontal, no canto esquerdo inferior onde há um corpo no chão com um tiro no crânio vazando sangue, esse pedaço serve de fundo para as letras das oito músicas próprias da Devil on Earth, que além delas conta ainda com um cover do Exumer e mais a demo Cold Reality (2003). Na contra capa, informações sobre a produção e uma foto da formação que gravou esse disco: Francisco na bateria, Macedo na guitarra, Leandro no baixo e fazendo os backings e Max na outra guitarra também assumindo os vocais das músicas. Atualmente, como consta no MySpace da banda, houve uma mudança na formação logo após as gravações desse álbum em junho de 2007, referente a bateria: entrou Jil no lugar de Franscisco.
O CD começa com a The Attack, uma música instrumental de 2:38 minutos, que mostra todo o poderio trasheiro desse quarteto que vinga as bandas brasileiras dos anos 80 com louvor! A gravação de cara lembra essa época, com muita qualidade e contando com seus "reverbs" característicos, é botar pra ouvir e voltar no tempo! A velocidade dos riffs e da bateria impressionam, se ouve tudo tranquilamente e a qualidade dos riffs são excelentes, uma pegada que raramente se vê hoje em dia nesse estilo, apesar de termos boas bandas no Brasil honrando o que eu considero de "verdadeiro Thrash Metal". No Escape começa na mesma velocidade, com um solo por cima da base e logo em seguida entra os vocais. O vocal é característico também da velha e excelente época, a impressão que dá é que o CD foi gravado nos anos oitenta, pois pouco se nota algo mais "contemporâneo" nas gravações e também nas composições das músicas. No Escape é completa dentro do estilo, com levadas de bumbo duplo quebrado, riffs graves acompanhando a bateria, mas não dura muito e o bate-estaca come solto, mostrando que o CD é uma paulada trasheira da melhor qualidade. A criatividade e a pegada dos riffs, alinhada a velocidade da bateria é o que chama mais atenção, e no final da música o mesmo solo do início. Em seguida vem a Torment in Fire, uma música que começa devagar, com uma cavalgada de riffs pesados entre harmônicos, passando para um estágio mais rápido da bateria e vindo por cima um solo de guitarra, e ao final dela a música começa a ter maior velocidade, onde entra o excelente vocal de Max, que lembra muito Kreator nos álbuns Pleasure to Kill e Extreme Agression, isso é só uma referência pois apesar de ser bem old school ainda há suas particularidades. É uma música pesada, porém não tão rápida quanto as duas primeiras, mas nem por isso deixa de ser ruim, pelo contrário o nível de criatividade e técnica continuam em alta, e a música é excelente, com solos que não enjoam de ouvir, riffs rápidos e um baixão acompanhando bem dando bastante peso nas músicas. Metal Mass é uma música longa dentro do estilo da Devil On Earth, mas é uma regravação pois em sua demo ela apresenta um tempo maior ainda, isso dá a entender que ela é tocada numa velocidade elevada, e imaginem essa ferocidade toda em 4:52 minutos de thrasheira sem parar? É bom demais! Spill The Poisoned Blood mostra mais uma vez que o Brasil tem uma das melhores cenas (se não a melhor, ein?) Thrash Metal do mundo, pois a agressividade e o peso old school ainda não morreu por aqui. Muita velocidade com riffs cortantes é apenas uma das características dessa música, como também de todo o CD. Para aqueles que idolatram bandas como Mutilator (no Immortal Force), Attomica (principalmente no Disturbing The Noise) e outras bandas brasileiras dessa época, não tenho dúvidas que irão virar fãs da Devil On Earth. Em termos de Thrash Metal no Brasil atualmente, com certeza é uma das bandas mais veloz em atividade, é praticamente impossível ficar sem bater cabeça com cada música apresentada nesse clássico, que apesar de ter sido lançado ano passado tem todos os requisitos de ser considerado uma obra prima do Thrash nacional pois parece que os caras conseguiram uma máquina do tempo e voltaram nos anos 80 pra gravar esse disco e só lançarem agora! Cold Reality é a faixa título da demo lançada em 2003 porém com uma gravação bem melhor aqui. A produção sonora desse CD ficou excelente, resgatando todo aquele feeling old school que é extremamente bem exercido por esses thrashmaníacos. Até pesquisei a respeito pra ver se esse CD foi lançado em vinil, pois merecia! E se eu entrego esse álbum pra um thrashbanger que não conhece a banda mas ama o Thrash old school, com certeza diria que o CD foi lançado nos anos 80. Werewolf é a próxima destruição sonora que pode ser ouvida no MySpace da banda, foi a primeira música que ouvi da Devil On Earth e que me arregalou os olhos na hora que conheci. Aqui eles usam muito do artifício de solar quando a música está em alta velocidade, dando ainda mais agressividade nela, mas em seguida cai para uma parte um pouco mais lenta, com muito peso, dando um contraste de qualidade. Nessa Werewolf eu destaco muito o riff principal, que inicia e finaliza a música além de aparecer outras vezes durante também, mostrando três características básicas de todas as outras músicas desse CD: Velocidade, peso e técnica sem frescuras. A próxima é a Devil On Earth, onde se nota muito tudo que já falei até agora, a velocidade, o peso, a técnica, o vocal agressivo, riffs criativos, levadas old school, variação de velocidade sem perder a agressividade. A única coisa que eu achei meio chata na música foi o solo por cima de um riff que também não é muito legal, ficou muito estranho pois até o momento era tudo muito criativo e técnico, mas tudo bem nada é perfeito mesmo, questão de gosto também, mas em seguida a música já ganha a cara da banda novamente e tudo volta a ficar excelente. Logo após, a última música gravada especialmente para esse CD, porém não é própria. Aqui a Devil on Earth faz um cover bem pesado e veloz do Exumer, tocando a sua maneira a música Possessed By Fire. Uma pegada forte com paradas muito bem sincronizadas. Não conheço muito Exumer pra falar mais sobre esse cover, mas que ficou bom, disso não tenho dúvidas, a música até tem uma parte que lembra muito alguma música do Kill Em All do Metallica (bons tempos, ein?). Foram 9 excelentíssimas músicas, esbanjando muita velocidade, criatividade, técnica e um verdadeiro culto aos anos 80, a melhor época do Thrash Metal. Em seguida a banda botou na íntegra a demo Cold Reality, que começa com uma intro chamada Damnation de 44 segundos, lenta, com guitarra sem distorção, bateria que só faz os sons dos pratos e baixo só fazendo o metrônomo da música praticamente, e no finalzinho começam a tocar o início da próxima, a Feel the Pain, uma pancadaria que mostra a diferença nas gravações dessa demo com o CD. A gravação aqui ficou mais "seca" e mostra que a banda já possuía uma pegada muito boa, porém não tanto quanto no CD, demonstrando a evolução da mesma. Aqui o baixo ficou muito alto, e alguns pratos também, mas nada que atrapalhe a música, que intercala muitos momentos de velocidade com outros de cavalgadas na mesma linha que vinham fazendo nas músicas do CD. Suicidal Hate mostra que a mixagem não ficou lá aquelas coisas, pois a guitarra solo ficou alta demais comparando com a guitarra base, e o baixo continua alto, porém os pratos que na música anterior estavam altos aqui não estão mais, porém repito: Nada que seja muito alarmante, são só detalhes que não deixaram a música ruim. Suicidal hate apresenta uma bateria mais moderada, porém os riffs continuam rápidos como sempre. A gravação mudou mesmo aqui, isso mostra que a demo teve alguns estágios diferentes de gravação, acredito eu. As próximas são músicas que eu já comentei aqui, a Metal Mass, Cold Reality e a Devil on Earth tocadas numa velocidade um pouco abaixo das que foram gravadas pro CD, mas isso é normal, em 4 anos tocando é natural que elas peguem mais pegada com o tempo. Aparentemente, não houveram grandes mudanças nas estruturas delas em comparação com as que foram regravadas pro CD.
Caralho, como é bom ouvir esse tipo de som, e principalmente em saber que ainda existem bandas com esse feeling old school aqui na nossa terra, e imaginar o que vem pela frente então? É ótimo mesmo. A Devil On Earth com certeza entrou pra elite do Thrash Metal nacional com esse sensacional CD, digno de estar no som dos headbangers mais velhos que reverenciam o auge do estilo no Brasil.
Tracklist:
  1. The Attack
  2. No Escape
  3. Torment in Fire
  4. Metal Mass
  5. Spill the Poisoned Blood
  6. Cold Reality
  7. Werewolf
  8. Devil on Earth
  9. Possessed by Fire (Exumer cover)
  10. Intro - Damnation (demo)
  11. Fell the Pain (demo)
  12. Suicidal Hate (demo)
  13. Metal Mass (demo)
  14. Cold Reality (demo)
  15. Devil on Earth (demo)
Compartilhar

Envie seu comentário sobre essa notícia!

Nome:
E-mail:
Texto:
=

Parceiros